28/05/2021 às 14:47 Sobre Mim

Quem é a Gabi?

25
4min de leitura

Já reparou que não é fácil nos decrever? A tendência é deletar e começar de novo, e quando vemos já passou um tempão, rss.

Eu acredito que somos a união de caracteristicas e qualidades, e a exclusão de outras também. Afinal, cada experiência nos molda! Cada amizade deixa um pouquinho dela e leva um pouquinho da gente também.

Agora vou te contar sobre mim, e qua tal depois você me contar um pouquinho de você? Amo conhecer pessoas. 

Eu nasci em Brasília, e vivi minha vida toda praticamente aqui, exceto quando aos 22 anos ficava a semana toda em Goiânia trabalhando e voltava apenas aos finais de semana ( isso significa que morei lá?). Foi um ano assim, e hoje não sei como dei conta dessa jornada.

Até 2014 eu trabalhava vestida formalmente o tempo todo, em grandes instituições (particulares e públicas) , como consultora e trabalhando 100% com o intelecto. Mas depois de uma internação com embolia pulmonar em 2013 minha vida mudou. Eu precisava respeitar meus novos limites e estabelecer uma nova forma de viver. Nessa etapa eu já era mãe, meu pequeno nasceu em 2011, e eu vivenciei um amor que não imaginava existir. 

Até 2012 eu consegui me desdobrar e conciliar tudo, trabalhava 4 horas longe, e mais 6 em casa com ele pendurado, fui agraciada nesse período com um chefe maravilhoso, e que sabia que feliz assim eu ia produzir mais. Mas mudei de empresa em 2013 e ele precisou ficar de 7 as 7 na creche, e isso me matava silenciosamente. Me sentia culpada, me sentia ausente, me sentia péssima. Não por ele estudar, mas por passarmos tanto tempo afastados e por ele ter que ficar 12 horas na escola. Não era o que eu queria proporcionar para meu filho. Bem, eu acredito que o corpo mostra o que guardamos silenciosamente, e meu corpo deu o basta que eu não estava dando. 

Após a internação, eu comecei a pensar o que faria, a única certeza era que não dava mais para ser como estava. E antes de saber o que iria fazer eu pedi demissão, abri mão de um salário maravihoso e certo, abri mão de uma vida profisional em que eu era reconhecida e que sabia exatamente o que fazer e como fazer, sim, eu era muito boa ( e não é questão de modéstia mas de consciência, eu estudei muito para chegar no nível que tinha alcançado). E nessa mudança brusca, sim, deu frio na barriga, sim, deu medo, sim, deu insegurança! Mas eu ia aproveitar o tempo com meu pequeno até decidir o novo caminho a trilhar. 

A fotografia sempre esteve na minha vida, eu enontrei em casa uma câmera analógica quando tinha 12 anos e me apropriei dela. Queimei muito filme ( não sei se são dessa época mas tinhamos cliques limitadissimos, e as vezes quando íamos revelar descobriamos que fizemos algo errado e estava tudo preto). Mas entre certos e muitos erros fui aprendendo sobre luz, ângulo e alguns truques. O problema era que tinha no máximo 36 poses então tinha que pensar muito bem o que iria registrar. Quando apareceram as primeiras digitais fui a loucura, mas demorei muito tempo até conseguir compar uma cybershot. 

Quando meu filho nasceu eu comprei uma Alpha da Sony e ninguém mais me segurou, eu queria registrar tudo dele, seu crescimento, suas descobertas e comecei a colocar ele em supostos cenários, aprontei com meu pequeno. 

Em 2014 fiz meu primeiro trabalho pago como fotógrafa, foi um ensaio de recém nascido e desde então nunca mais parei. Claro que os primeiros trabalhos não foram nem perto do que faço hoje ( foram muitos cursos, estudos e aprimoramentos).

Hoje não sei como vivi tanto sempo longe desse univ erso que literalmente me alimenta a alma. Sabe por que? Porque primeiro eu amooooo bebê, sou daquelas que se pudesse seria mãe de nove. Segundo, porque evoluo a cada ensaio como pessoa, conheci muitas histórias e superação, de amor e isso me motiva a ser um ser humano melhor. Terceito porque me conecto com muitas pessoas que pensam e sentem parecido comigo, que tem a família como bem maior, que são valor a cada momento em família, que celebram a vida e cada momento por mais simples que sejam. E tem uma lista enorme a mais que tornaria muito extenso aqui, mas que em suma me faz me sentir viva.

Meu propósito é mostrar para o máximo de famílias que eu puder que essa pausa para fazer um ensaio na verdade é uma forma de valorizar tudo que temos de mais especil, uma forma de ver de um novo ângulo os momentos simples, uma forma de eternizar abraços e sorrios, de fazer valer nossa correria do dia a dia, e de minimizar a culpa que as maioria das mães tem hoje pelo estilo de vida que temos. Porque quando a mãe vê os sorrios dos filhos, os olhares deles pra ela, ela sabe que está no caminho certo de construir algo lindo! Ela vê como é belo essa relação mesmo no meio da correria, da loucura, do estress e do receio de estar errado. 

Eu gosto de gente, de gente simples, de gente amorosa, de gente que abraça, de gente que da bom dia, de gente que sorri com o olhos, de gente que estende a mão, de gente que é amigo, de gente que faz nosso dia melhor só por existir. E eu tenho a oportunidade de a cada dia conhecer mais gente assim. 

A Gabi Aine, é só a Gabi, um mix de sentimentos, dos mesmos que vocês também sentem. Mas acima de tudo a Gabi Aine é gratidão, pela vida, pela família e pela confiança de cada um que passa pelas minhas lentes!


28 Mai 2021

Quem é a Gabi?

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

Gabi Aine História de vida mudanças sobre mim

Quem viu também curtiu

09 de Jun de 2021

As DEZ maiores dúvidas quanto ao ensaio Newborn

20 de Jun de 2021

Como planejar seu ensaio gestante?

23 de Ago de 2021

Ensaio em casa tem seu charme!

Olá, em que podemos ajudar? Sinta-se a vontade em me chamar no whatsapp.
Logo do Whatsapp